Published On:sábado, 1 de setembro de 2012
Posted by JORNAL EDUCADORA

Suspeitos de executar jovens já estão em CG e prestam depoimento

Suspeitos de executar jovens já estão em CG e prestam depoimento

Os dois homens apontados como possíveis mentores do sequestro e morte dos amigos Breno Luigi Silvestrini de Araújo de Araújo, de 18 anos, e Leonardo Batista Fernandes, de 19 anos, foram trazidos de Aquidauana e Corumbá para prestarem depoimento em Campo Grande.

Os jovens foram assassinados na noite da última quinta-feira (30) após serem rendidos quando saiam de um Bar na capital sul-mato-grossense e o crime causou grande comoção. Os bandidos planejavam roubar o carro que estava com as vítimas para vender na Bolívia.

Weverton Gonçalves Feitosa, 22 anos, o Japinha, foi capturado pelo SIG Aquidauana e Anastácio, já o comparsa, Rafael Costa da Silva, 22 anos,o Pinha, foi preso pelo SIG da cidade de Corumbá.

Ainda na tarde da sexta-feira (31) a mulher de Rafael, Dayane, foi presa em Miranda e trazida para a sede da Defurv (Delegacia Especializada de Furtos e Roubos de Veículos), onde prestou depoimento para a delegada Maria de Lourdes Souza Cano.

Weverton e Rafael permanecem na sede da Defurv. Lá prestam depoimento. A reportagem apurou que os dois possivelmente fazem parte de uma quadrilha envolvida com roubo de veículos no Brasil para levar aos países vizinhos Bolívia e Paraguai.

De acordo com a polícia, foi Dayane que indicou onde estavam os corpos dos jovens, que foram localizados as margens da BR-262, na saída de Campo Grande para Rochedo. Ao que tudo indica eles foram mortos com tiro na nuca.

Weverton ainda confessou que participou diretamente da morte do piloto da TAM, Marco Antônio Leão Ramos, de 40 anos, no dia 1º de agosto desse ano, na cidade de Anastácio. O corpo do piloto foi encontrado com uma perfuração no olho esquerdo, no banco do carona da Hillux que ele conduzia. Possivelmente ele reagiu a um assalto.

A primeira prisão aconteceu ainda no período da manhã desta sexta-feira, na cidade de Miranda. Dayane, que é esposa de um dos autores foi flagrada tentando fugir de carona, quando o caminhão que estava foi parado por policiais rodoviários federais. Ela carregava o celular de uma das vítimas.

Segundo o que apurou a polícia até agora, os dois jovens foram abordados por volta das 20h e foram assassinados no macroanel próximo à saída para Rochedo. Depois Weverton, Dayane e Rafael seguiram com a Pajero, que é de propriedade da mãe de um dos jovens, e por volta das 23h passaram no posto da PRF Guaicurus, na BR-262 a cerca de 55 km de Miranda.

Depois seguiram até a ponte sobre o Rio Paraguai, mas não tinham dinheiro para pagar pedágio e então resolveram voltar. Ainda conforme informações obtidas pelo Midiamax, quando retornaram da ponte, Os policiais do Departamento de Operações de Fronteiras (DOF) desconfiaram e seguiram o veículo.

Quando perceberam o acompanhamento tático, a Pajero foi abandonada e os ocupantes fugiram. Daiane pegou carona com um caminhoneiro e Rafael e Weverton fugiram pelo mato. A mulher foi presa pela PRF no Posto Guaicurus. Durante toda a tarde foi montada uma megaoperação para capturar os autores das mortes, inclusive com barreiras nas estradas e região pantaneira.

Em Campo Grande seguem os serviços de investigação para tentar identificar outros possíveis envolvidos com o trio.

Fonte: Dourados Informa

About the Author

Posted by JORNAL EDUCADORA on sábado, setembro 01, 2012. Filed under , . You can follow any responses to this entry through the RSS 2.0. Feel free to leave a response

By JORNAL EDUCADORA on sábado, setembro 01, 2012. Filed under , . Follow any responses to the RSS 2.0. Leave a response

0 comentários for "Suspeitos de executar jovens já estão em CG e prestam depoimento"

Leave a reply

DESTAQUE

Salatiel Solicita a Estado a Volta da Emissão de Carteira de Identidade no Município

Vereador Salatiel da Radio no Gabinete da Vice-Governadora Rose Modesto O vereador Salatiel da Radio encaminhou oficio a Vice-Governado...

Noticias de Sete Quedas e Região

Tecnologia do Blogger.

    ARQUIVO